Estudantes do IFPR visitam usina Hidrelétrica de Itaipu

Estudantes do Instituto Federal do Paraná, campus Umuarama, dos cursos de Arquitetura, técnico em Edificações, técnico em Desenho de Construção Civil, técnico em Química e técnico em Design de Interiores fizeram uma visita técnica à Usina Hidrelétrica de Itaipu na última sexta-feira (18), um dia após a usina completar 44 anos de criação.
Na oportunidade os estudantes aprenderam sobre a história das relações diplomáticas que possibilitaram a instalação da usina e os grandes números e recordes de sua construção e operação. 
Em nove anos de construção até a instalação da primeira unidade geradora de energia, o local teve até 40 mil trabalhadores no período de pico, além da maior fábrica de gelo em escamas da América Latina, responsável por resfriar o concreto para que atingisse a resistência adequada para a barragem.
Em 2016, a usina atingiu 103,1 milhões de MWh de geração de energia, recorde mundial absoluto. Por esse motivo, Itaipu é hoje a maior geradora de energia limpa e renovável do planeta. Toda a energia produzida pela hidrelétrica, equivalente a 16% do consumo do Brasil e 90% do Paraguai, se traduz em inúmeros benefícios. Só em royalties, correspondentes à exploração energética do uso do reservatório, Itaipu já repassou mais de US$ 11 bilhões para os dois países. Esses investimentos são aplicados em infraestrutura, educação, desenvolvimento, tecnologia e em ações sustentáveis, entre outras. 
Antes da visita técnica à usina, os estudantes puderam conhecer uma das sete maravilhas da natureza e patrimônio natural da humanidade, as Cataratas do Iguaçu, que ficam no Parque Nacional do Iguaçu, administrado pelo Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio).
Para as professoras que acompanharam o grupo de alunos, Talita Martins e Máriam Pereira, “esse tipo de atividade deve ser sempre incentivado pelas escolas, pois retira o estudante da sala de aula e o coloca em contato com o exercício da profissão e cidadania, além de fazê-lo refletir sobre as tecnologias, inovações e preservação ambiental”.