Estudantes do IFPR são aprovados em Engenharias na UEM

O Instituto Federal do Paraná teve cinco estudantes do curso técnico em Química integrado ao Ensino Médio aprovados em Engenharias no último vestibular de inverso na UEM. Dois estudantes passaram em Engenharia Ambiental, outros dois em Engenharia Química e uma estudantes foi aprovada em Engenharia Civil. Dos cinco estudantes, uma ainda está no terceiro ano do curso.
Os alunos aprovados foram Ana Maria da Silva (Engenharia Química), Camila dos Santos Rocha (Engenharia Civil), Heloisa Andrade Ferrari (Engenharia Ambiental), Marcos Antonio Pacheco Michalczuk (Engenharia Ambiental) e Naioly Veronica Alves Jeremias (Engenharia Química).

Trajetórias

Além do esforço pessoal, os estudantes sempre foram estimulados pelos professores a realizarem projetos de pesquisa e participação em eventos científicos.
Ana Maria desenvolveu projetos de extração de óleo de girassol em 2014 e 2015 e está sendo monitora de Física em 2017. Ela participou do Seminário de Pesquisa e Extensão do IFPR em 2015 e reconhece que “o IF foi para mim uma oportunidade de conhecer pessoas maravilhosas, professores maravilhosos e um ensino de altíssima qualidade. O IF me fez enxergar um mundo maior, me fez sonhar mais alto. Sou grata a Deus pela experiência, a minha família pelo apoio de sempre e sou grata ao IF por me capacitar”, conclui.
Camila foi bolsista-atleta e participou dos Jogos do IFPR em 2014. Em 2015 e 2016 foi monitora de Matemática. Ela ressalta que “o Instituto Federal do Paraná teve um papel muito importante para essa minha conquista pois me ofereceu um ensino de qualidade que me ajudou muito a ampliar e a aplicar meu conhecimento. Agradeço principalmente aos professores do IF que sempre estiveram a disposição para nos orientar no que precisássemos e estão sempre nos motivando a correr atrás daquilo que almejamos”, completa.
Heloisa também foi bolsista-atleta e participou dos Jogos do IFPR em 2015 e 2016. Em 2016 ainda participou do Seminário de Extensão e Pesquisa do IFPR com o projeto “”Xadrez: Benefícios da Sua Prática no IFPR Campus Umuarama”. Ela diz que se considera “sortuda por ter tido a oportunidade de estudar no IFPR, essa instituição de ensino de alta qualidade. Depois de 4 anos sofridos é gratificante ver o resultado. Fazer um vestibular da UEM, a qual não passei horas estudando para ou fazendo cursinho, apenas peguei todo o conhecimento acumulado nesses anos de estudo, e passar de primeira é inexplicável. Tenho uma gratidão enorme por todos os professores e demais profissionais que compartilham todo seu conhecimento e sempre nos incentivam. Agradeço também aos meus pais que sempre me apoiaram e fazem de tudo pra que eu posso alcançar meus objetivos e sonhos. Espero recompensa-los por tudo lá na frente”, finaliza.
Marcos desenvolveu o projeto “Caracterização química da água de chuva em Umuarama como Indicador de Qualidade Atmosférica Urbana” em 2016 e 2017 como Bolsista PIBIC-Jr. Por meio desse projeto, participou e publicou no Seminário de Extensão e Pesquisa do IFPR e no COngresso Internacional de Ciência, Tecnologia e Inovação da UNIPAR em 2016 e 2017. Em 2015, publicou o trabalho “Júri simulado como ferramenta de aproximação entre filosofia e biologia”, no Seminário de Estudos Técnicos e Tecnológicos do IFPR. Ele comenta que “o Instituto Federal do Paraná foi de grande importância para mim poque tornou possível eu acessar uma educação pública de qualidade e com certeza foi fundamental para o meu desenvolvimento acadêmico, sendo também um abridor de portas para uma universidade”.